Literatura do cotidiano e o que mais interessar…

Arquivo para a categoria ‘Comportamento’

UM JEITO DE VER

Iguana Tickets

World Cup Brazil 2014

      Muito espertos, eles. Máquinas de correr. E suar. E descansar as mãos na cintura. E voar, cabecear, cair. Levar tranco, tropeçar, dividir: quanta exposição à dor! Parece que fazem questão de esbarrar, entrar feio, ferir e arriscar. E vão velozes, às vezes furiosos. Gana de deixar para trás…

      Agilidade e destreza: um olho na bola, outro nos caras, assim como os pés. Avançam e driblam, acertam e erram, pódio e chão. No chute e no toque.Tombo. Falta! Faz parte. Maldade e covardia também. Cara feia, palavrão: testosterona, encenação? Mas também dão a mão. E cospem no chão! Por que homens cospem no chão?

     Eternos meninos em pura alegria, força, determinação: é gol!  Pirueta no ar, camisa no rosto, braços aos céus: ” — Olha o abdômen…” E que pernas po-de-ro-sas!  Lições de saúde, anatomia e movimento: uau! Que o digam as camisas coladas desta Copa: bendita tecnologia!

     Gramados salpicados de homens de todos os tipos, todos os credos, todo lugar. Ou quase. De cabelos claros ou escuros, lisos ou rebeldes, longos ou curtos, ou mesmo inexistentes. Orientais e ocidentais, charmosos e insossos, feios e belos, altos e baixos, magros e encorpados, enfim, um catálogo ambulante da espécie humana, subespécie homem jogador de futebol.

     Mas, melhor que isso são as torcidas. Pelo menos o que mostram na TV… O catálogo desdobrado: a mesma diversidade expandida, ampliada na expressão criativa, colorida e divertida das nações convivendo (quase sempre) bem, nas arquibancadas, ruas e bares. Alegres e bem-humoradas como era pra ser todo dia, se todo mundo em todo o mundo quisesse, pra valer, fazer valer no ser humano o que ele tem de melhor: cordialidade e tolerância. A cada dois anos, Copas do Mundo e Jogos Olímpicos nos lembram disto. Mas a gente esquece!

FIM DE ANO

Baixar a bola. Respirar. Renovar. Convenções à parte, acabou sendo útil, no mundo cristão-ocidental, comemorar o Natal às portas do fim de ano. O 25 de dezembro era festa pagã de culto ao Sol, que voltava a brilhar no céu, no solstício de inverno: a luz vencendo as trevas. O mesmo efeito da vinda de Jesus, para os cristãos. Daí, segundo consta, contrapor a festa cristã ao rito pagão. De qualquer forma, festa é festa. Comemorar bem ou mal, ou não comemorar, isto é com cada um. Ser “carneiro” do rebanho consumista e nada mais, também é pegar ou largar.

Indispensável é abrandar o coração e serenar o olhar. Para isto os presépios revivem, ano após ano. É ali que a Humanidade toda deveria se inspirar: inocência e santidade, simplicidade e paz. Silenciosamente, em meio à selvagem corrida pela “obrigação” de comprar presentes, fazer festa, aqui e ali um sinal, um apelo, uma discreta sugestão: o bebê no bercinho de palha, presença de mãe e pai, brilho de estrela…

Seja esta a função do Natal: reduzir a marcha, baixar os olhos, elevar o espírito. Trazer à tona a esquecida pureza, a infantil alegria, a atenção ao ser. Falar, ao menos, ( para não esquecer) em boa vontade, fraternidade, amor e paz. Trocar mensagens e cartões com arte, reafirmando o melhor em nós: o poder de agradar, expressar carinho, reconhecimento, interesse. Praticar civilidade para não se embrutecer. Porque é esta a tendência, alimentada por Jornais Nacionais e globalização: perdas e danos em profusão.

Seguir até quando na mesma toada dos dias iguais? Infindáveis tarefas de sobreviver, trabalhar, cuidar e manter, sem limite? Destino indefinido de andarilho, olhar perdido no horizonte inalcançável? VERDE E VERMELHO NELES, ouro e prata, bola e laço, pisca-pisca! Enfeitar as ruas, as casas, as vidas à beira da total indiferença, neutralidade e mesmice! Tirar o pó, limpar o mofo, mudar a cor: agenda nova, próximo dígito, recomeço. Reescrever a história, talvez…

DEZEMBRO



“É sabido que em dezembro a Humanidade perde coletivamente o  juízo, isto é, piora o seu já aflitivo estado de ilusão com um furioso ataque de esperança na felicidade. Os réveillons, a árvore de Natal, o sapato do Pai Noel, os grandes prêmios de loteria são as provas do curioso delírio coletivo”.

JOÃO DO RIO

MARQUÊS DE MARICÁ

“Há muita gente que presume honrar a sua rudeza, grosseria e incivilidade qualificando-as de franqueza, independência e amor da verdade”.

 

FINADOS

LIVRE PARA VOAR

  • Senhor Jesus!
  • Enquanto nossos irmãos na Terra se consagram hoje à lembrança dos mortos-vivos que se desenfaixaram da carne, oramos também pelos vivos-mortos que ainda se ajustam à teia física…
  • Pelos que jazem sepultados em palácios silenciosos, fugindo ao trabalho, como quem se cadaveriza, pouco a pouco, para o sepulcro;
  • pelos que se enrijeceram gradativamente na autoridade convencional, adornando a própria inutilidade com títulos preciosos, à feição de belos epitáfios inúteis;
  • pelos que anestesiaram a consciência no vício, transformando as alegrias desvairadas do mundo em portões escancarados para a longa descida às trevas;
  • pelos que enterraram a própria mente nos cofres da sovinice, enclausurando a existência numa cova de ouro;
  • pelos que paralisaram a circulação do próprio sangue nos excessos da mesa;
  • pelos que se mumificaram no féretro da preguiça, receando as cruzes redentoras e as calúnias honrosas;
  • pelos que se imobilizaram no paraíso doméstico, enquistando-se no egoísmo entorpecente, como desmemoriados, descansando no espaço estreito do esquife…
  • E rogamos-te ainda, Senhor, pelos mortos das penitenciárias, que ouviram as sugestões do crime e clamam agora na dor do arrependimento;
  • pelos mortos dos hospitais e dos manicômios, que gemem, relegados à solidão, na noite da enfermidade;
  • pelos mortos de desânimo, que se renderam, na luta, às punhaladas da ingratidão;
  • pelos mortos de saudade, que lamentam a falta dos seres pelos quais dariam a própria vida;
  • e por esses outros mortos, desconhecidos e pequeninos, que são as crianças entregues à via pública, exterminadas na vala do esquecimento…
  • Por todos esses nossos irmãos, não ignoramos que choras também como choraste sobre Lázaro morto…
  • E trazendo igualmente hoje a cada um deles a flor da esperança e o lume da oração, sabemos que o teu amor infinito clarear-nos-á o vale da morte, ensinando-nos o caminho da eterna ressurreição.

Fonte: “Religião dos Espíritos” – Francisco Cândido Xavier

DIA DO PROFESSOR

Verdades da Profissão de Professor



“Ninguém nega o valor da educação e que um bom professor é imprescindível. Mas, ainda que desejem bons professores para seus filhos, poucos pais desejam que seus filhos sejam professores. Isso nos mostra o reconhecimento que o trabalho de educar é duro, difícil e necessário, mas que permitimos que esses profissionais continuem sendo desvalorizados. Apesar de mal remunerados, com baixo prestígio social e responsabilizados pelo fracasso da educação, grande parte resiste e continua apaixonada pelo seu trabalho.
A data é um convite para que todos, pais, alunos, sociedade, repensemos nossos papéis e nossas atitudes, pois com elas demonstramos o compromisso com a educação que queremos. Aos professores, fica o convite para que não descuidem de sua missão de educar, nem desanimem diante dos desafios, nem deixem de educar as pessoas para serem “águias” e não apenas “galinhas”. Pois, se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda.”

Paulo Freire

http://www.pensador.info/frase/NTI0ODYz/